Billy Elliot

| 07 abril 2019 |

Em meio a greve dos trabalhadores das minas de carvão da Inglaterra, Billy é obrigado pelo pai a frequentar aulas de boxe. Ele tem em seu futuro o mesmo oficio de seu pai e irmão, porém, ter contato com algo completamente fora de sua realidade, poderia mudar o seu destino.

Mesmo sem querer, Billy começa a ter aulas de dança. Estudar ballet pode ter acontecido por acaso em sua vida, mas a paixão que ele desenvolveria pela dança irá abalar completamente o seu mundo, o de sua família – que não aceitaria de bom grado suas escolhas –, e de todos aqueles que o viram crescer e que sonham com um futuro melhor para qualquer uma daquelas crianças. Que elas possam ter uma chance de escapar do destino certo de trabalhar nas minas, ou não ter emprego algum.

Não é possível deixar de me impressionar com o talento das crianças que são escolhidas para dar vida aos personagens de um musical. Assim como em Annie, em que meninas fantásticas foram escolhidas para interpretar a personagem título, em Billy Elliot, o protagonista infantil tem que ter a habilidade de atuar, cantar e dançar com a perfeição de um mestre, o que Tiago Fernandes (no caso da sessão em que o Caminho Cultural esteve presente) fez com maestria.

Ainda no núcleo infantil, não poderia deixar de destacar a interpretação de Paulo Gomes, como o melhor amigo de Billy, Michael Caffrey. Que criança espetacular! Conseguiu arrancar gargalhadas da plateia como poucos adultos conseguem. Tão natural e criativo, todas as suas aparições foram repletas de grandes lições passadas de forma leve e hilária. Um pequeno ator, mas com um grande talento.

No elenco adulto temos uma grata surpresa com Carmo Dalla Vecchia, interpretando o pai de Billy. Para quem está acostumado em vê-lo em novelas de grande repercussão, foi marcante ter a oportunidade de encontrar com um outro lado desse ator. Musicais são um desafio singular, onde um ator, além de interpretar seu personagem, também precisa cantar e dançar com desenvoltura, o que me surpreendeu de forma muito positiva.

Vanessa Costa, interpretando a professora de Ballet, protagonizou alguns dos números musicais mais incríveis do espetáculo, aliás, todos os números musicais são impressionantes, além de terem versões marcantes, daquelas para você cantar junto, das canções originalmente escritas por Elton John.

“Billy Elliot” é um musical fantástico sobre família, revoluções, lutas trabalhistas, preconceitos e sobre correr atrás dos seus sonhos. Incrível desde a primeira cena e nos levando com Billy até o último ato, torcendo para que seus sonhos se realizem.

4 comentários:

  1. Oi!
    Ando impressionada também com o talento das crianças, elas parecem que já nascem com o dom de interpretar magnificamente.
    Como gosto de drams familiares e musicais, quero poder assistir.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. La película musical es muy buena con las canciones del actor que se muestran. Debe instalar tonos de llamada eléctricos en la dirección que SonneriePro proporciona tonos de llamada gratuitos en: https://sonneriepro.com/sms/
      https://sonneriepro.com/samsung/

      Excluir
  2. Mesmo não tendo acesso a espetáculos assim aqui em Lost(fim do mundo onde moro), adoro sempre estar por dentro das novidades!
    Ouvi rapidamente estes dias, passando pela sala de casa, Carmo falando sobre este musical e já gostei de cara, até por trazer de volta Billy que adorei ter visto um filme já faz um tempinho!
    Talento, bom humor e claro, decisões muito importantes!
    Beijo

    ResponderExcluir
  3. Que bom Jana , poder assistir um musical com tantos atores talentosos. Especialmente quando o talento maior é das crianças.
    Sem contar que em um só espetáculo, há música,dramas familiares e sonhos a serem realizados.

    Boa dica!

    ResponderExcluir